Um mapa das excursões a um ‘País de Turismo’

Figura 1

Figura 1

O nº 2 da Revista Portugal: País de Turismo, publicado em 1954, foi “dedicado às Províncias Ultramarinas” anunciando-se que “da longínqua província de Timor às raiadas povoações do Minho e Trás-os-Montes, evocar-se-á através dos artigos firmados por escritores e jornalistas de mentalidade não metropolitana, mas integralmente portuguesa, todo o nosso Portugal, na plenitude do seu maravilhoso cenário, manancial de temas inesgotáveis, em sucessivas imagens de cor, de vida, de poesia e de sonho.” (Andrade, 1954, p. s.n.)

Este volume começa por apresentar uma síntese dos trabalhos, resultados e conclusões do VIII Congresso e Assembleia Geral da União Internacional de Organismos Oficiais de Turismo (U.I.O.O.T.) apresentado no volume do ano anterior e , tal como este, surge enquadrado por um evento relevante da vida política e cultural nacional, a viagem de Sua Excelência, o General Craveiro Lopes às Províncias de S. Tomé e Angola, dedicando o editor Ferreira de Andrade “o presente número às nossas províncias do Ultramar, irmanando-as no mesmo laço de propaganda das suas belezas, etnografia e folclore, paisagem e monumentalidade, às da Mãe-Pátria.”

Figura 1

Figura 2

É portanto no contexto da apresentação deste Mundo Português, que surge o mapa Excursões em Portugal; Randonnées au Portugal; Excursions in Portugal1”, a descerrar o artigo intitulado Portugal Turístico, de António Nunes.

A palavra excursão é definida como uma “viagem com fins turísticos, culturais, desportivos, religiosos ou outros, organizada em grupo, com regresso ao ponto de origem e incluindo todos os serviços básicos” (Domingues, 2013, p. 136). O excursionismo moderno foi impulsionado por fatores vários, como sejam “o desenraizamento nostálgico dos citadinos”, a “crescente mobilidade e conforto dos transportes”, o “desenvolvimento da camionagem”, a atividade da FNAT, nomeadamente através do desenvolvimento de atividades de turismo social (Pina, 1988, pp. 49-50; 135-137).

A cartografia dos itinerários proposta é contextualizada com um conjunto de pictogramas associados a símbolos que visam autenticar a cultura popular, parte essencial do discurso ideológico do regime do Estado Novo, alicerçado na Política de Espírito de António Ferro, que reveste a promoção turística dos mesmos ‘artefactos da governação’ (Bennet, 1999, p. 383)

No texto que é reproduzido no verso do mapa, procurando complementar a imagética cartografada, Portugal é assim descrito, desta vez nas palavras do próprio António Ferro: 

“Vertical, perfilada, a nossa Pátria, no extremo Ocidental da Europa, em face do Atlântico, alto pinheiro das dunas, é a grande árvore de Natal do velho mundo, carregada de brinquedos divinos; castelos altaneiros, onde descem anjos; capelinhas Terra-Menina; alminhas e cruzeiros, orações da paisagem; montanhas suaves, povoadas de pastores bíblicos; vales que são grandes cestos de flores e de frutos; rios que são as fitas dividindo os vários cantos do poema virgiliano; jardins onde a nossa alma colhe flores; praias onde o mar não ruge mas canta; planícies onde o sonho galopa, onde o silêncio mora; vinhas inocentes que estão longe de saber que embriagam, que são mães do vinho; espigueiros onde se guarda o milho, altares do pão; árvores, outras árvores penduradas nos ramos frondosos da árvore do Natal, carvalhos, castanheiros, zambujeiros, oliveiras, eucaliptos, ulmeiros…dentro deste presépio, desta paisagem, casa de Deus, um grande poeta que se chama «Povo Português», trabalha, sofre, ama e canta.”

Estas (entre outras) representações visuais e textuais, com destaque para o património construído e imaterial, sublinham a “importância dada pelos Estados – que se querem identificar com Nações – ao seu património nacional (monumentos, artefactos, produtos da acção passada dos seus cidadãos) e ao seu território” (Sobral, 1999, pp. 83-4).

 

Obras Citadas

Andrade, F. d. (1954). Portugal, país de turismo. (F. d. Andrade, Ed.) Portugal: País de turismo, 2, p. s.n.

Bennet, T. (1999). Useful culture. Em D. Boswell, & J. Evans, Representing the nation: a reader (pp. 380-393). Londres: Routledge/ The Open University.

Domingues, C. (2013). Prontuário Turístico. Lisboa: INCM, ESHTE.

Pina, P. (1988). Portugal: O turismo no século XX. Lisboa: Lucidus.

Sobral, J. M. (1999). Da casa à Nação: passado, memória, identidade. Etnográfica, III(1), pp. 71-86.

  1. São assinalados os seguintes pontos de interesse ao longo dos itinerários recomendados: Ponte do Lima, Ponte da Barca, Braga, Guimarães, Amarante, Lamego, S. Pedro do Sul, Viseu, Guarda, Vilar Formoso, Covilhã, Castelo Branco, Tomar, Fátima, Leiria, Batalha, Coimbra, Buçaco, Porto, V. do Castelo, Alcobaça, Nazaré, S. Martinho, Caldas da Rainha, Óbidos, Santarém, Vila Franca de Xira, Queluz, Mafra, Sintra, Estoril, Lisboa, Cacilhas, Setúbal, A. Moura, Vendas Novas, Estremoz, Borba, Elvas, Caia, Vila Viçosa, Redondo, M.-o-Novo, Évora, S. Leonardo, Portel, Beja, V. Verde de Ficalho, Ervidel, S. Braz de Alportel, V. R. de Sto. António, Tavira, Olhão, Faro, Portimão, Monchique, Lagos, Sagres, Odemira, Santiago do Cacém, Alcácer do Sal []

Maria Aurindo

Licenciada em Geografia e Planeamento Regional (Variante Humana), Pós-Graduada em Gestão Turística de Sítios e Mestre em Antropologia (Especialidade Antropologia do Turismo). Técnico Superior da Biblioteca Celestino Domingues.

More Posts

Follow Me:
LinkedInGoogle Plus

Você pode gostar...

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *