A promoção turística de Portugal nos países nórdicos (1962-1993) – 10 – Extinção do Instituto de Promoção Turística e das Delegações de Turismo no estrangeiro

Como facilmente se compreenderá, as alterações impostas pela extinção do Instituto de Promoção Turística (decretada governamentalmente em Agosto de 1992) – e o consequente encerramento das Delegações do Turismo Português no estrangeiro – causaram profunda e prejudicial perturbação no funcionamento do CTP-Escandinávia, afectando negativamente a sua actividade promocional, devido à obrigatória prioridade imediata exigida pelo complexo processo burocrático e logístico da desactivação do organismo e da transferência das suas funções para as representações locais do Instituto do Comercio Externo de Portugal – não preparadas ou vocacionadas para tarefas de tão distinta especificidade.

Por outro lado, a absorção das atribuições do IPT pelo ICEP instituiu, desde logo, um centralismo autoritário tão descabido como altamente burocratizante. Inibitivo, a meu ver, da flexibilidade, da criatividade e do pragmatismo imprescindíveis ao êxito da acção promocional turística no próprio terreno dos mercados. Ao serem os responsáveis dos CTP’s destituídos de, praticamente, todas as suas competências e poderes de decisão, o regime até então vigente – de confiança na qualificação, experiência, capacidade operacional, instinto de iniciativa e empenhamento dos delegados externos, bem como da sua avaliação através dos resultados produzidos – foi abruptamente substituído por um sistema de concentração unilateral (manobrado por entidades alheias e inexperientes do funcionamento prático do sector turístico) e, no meu sentir, inadequado, complexo, estrangulador e inoperante. Indubitavelmente desmotivador.       

A nomeação, no Outubro seguinte, das chefias das delegações externas da nova organização do ICEP veio confirmar uma degradante subordinação do Turismo ao Comércio, como algo meramente acessório. Dos quadros do ICEP/Comércio proveio a quase totalidade dos delegados principais. Não tendo aceitado a minha nova posição de “Delegado-Adjunto” – que considerei uma despromoção tão injustificável como desonrosa – resolvi, conscientemente e após profunda ponderação, apresentar superiormente a minha recusa do cargo. Decisão que resistiu, coerentemente, a todas as diligências persuasivas.

Cumpre-me, neste contexto, e em nome da verdade, sublinhar que a minha renúncia foi ditada, única e exclusivamente, por factores de carácter institucional – sem a mínima influência de hipotéticos motivos de ordem pessoal.

Refiro, a propósito, ter sempre mantido as mais estreitas e amistosas relações pessoais com os vários delegados do FFE/ICEP que me sucederam em Estocolmo (onde, em fins de 1967, também fundei e dirigi, cumulativamente, até Junho de 1972, a primeira representação oficial do Comércio Português nos Países Nórdicos) ou que chefiaram as delegações nas restantes capitais nórdicas (alguns deles por mim recomendados) – o que, obviamente, se traduziu numa assídua e profícua cooperação funcional e operacional, de reconhecido benefício comum, entre o Centro de Turismo e as representações comerciais portuguesas.

Foi, deste modo, posto termo a uma intensiva e apaixonante missão de mais de 30 anos devotada ao Turismo do nosso País – desde que, em Janeiro de 1961, ainda como jornalista, apresentei no 1.º Colóquio Nacional de Turismo, uma comunicação sobre as potencialidades do mercado escandinavo para o Turismo Português, da qual resultaram as conclusões/directrizes da “necessidade de se trabalhar o mercado escandinavo” e da “conveniência da instalação de nova Casa de Portugal ou Centro de Informação nos Países Escandinavos”.

Até ao derradeiro suspiro…

Os frenéticos meses terminais da existência do CTP-Escandinávia foram consumidos, evidentemente, com a continuidade da execução, tanto quanto possível, de parte das tarefas promocionais previstas ou programadas, assim como dos compromissos localmente assumidos, para além do cumprimento, na situação, das obrigações legais suecas – simultaneamente com os procedimentos burocráticos inerentes ao desmantelamento do organismo e à transferência das suas atribuições para as Delegações do ICEP.

Por solicitação do IPT, elaborou-se, ainda em Setembro, um novo Plano/Orçamento Promocional do CTP-Escandinávia para 1993 – prevendo a aplicação/investimento total de 300.000 contos (1,5 milhões de euros), dos quais, 143.000 em acções de promoção e 103.000 em publicidade diversa.

A transferência formal de poderes e haveres iniciou-se a 8 de Dezembro, em Copenhaga, na Subdelegação local do CTP, tendo sido concluída na sede, em Estocolmo, dois dias depois.          

Figura 1 – Carta da Associação de Agencias de Viagens da Finlândia, comunicando a atribuição do seu “Diploma de Honra” ao ex-Diretor do CTP-Escandinávia (Janeiro, 1993)

Figura 1 – Carta da Associação de Agencias de Viagens da Finlândia, comunicando a atribuição do seu “Diploma de Honra” ao ex-Diretor do CTP-Escandinávia (Janeiro, 1993)

O Centro de Turismo de Portugal na Escandinávia – criado e fundado pelo signatário e oficialmente inaugurado em 10 de Setembro de 1965, funcionando sempre no mesmo local, encerrava formalmente em 10 de Dezembro de 1992 e física e definitivamente no final do ano.

Houve ainda, contudo, que tratar, com o delegado do ICEP, de diversos assuntos relacionados com a transferência (como assegurar a permanência dos funcionários do extinto CTP na nova organização), os compromissos operacionais a satisfazer até ao final do ano e nos primeiros meses do seguinte, incluindo a participação nas feiras de turismo de Gotemburgo, Helsínquia e Oslo (onde Portugal conquistaria o prémio do “Melhor Pavilhão”). E, ainda, com o cumprimento de algumas formalidades protocolares locais, como actos de despedida do director cessante do Centro e de apresentação do seu sucessor aos embaixadores de Portugal, entidades oficiais, “trade” turístico e órgãos dos media – realizados, no decorrer de Janeiro de 1993, em Estocolmo, Copenhaga, Oslo e Helsínquia.

Na recepção oferecida pela Embaixada de Portugal em Helsínquia, foi o director do já extinto CTP distinguido com o “Diploma de Honra” da Associação de Agentes de Viagens Finlandeses “for the remarkable work done in developing the Finnish-Portuguese travel cooperation” (distinção atribuída pela AFTA, até então, apenas oito vezes, tendo sido esta a única a uma entidade estrangeira).

Chegada definitivamente ao fim a minha longa e honrosa cruzada, não pude, evidentemente, deixar de sentir uma profunda e genuína emoção. Mas, igualmente, um enorme orgulho pessoal (se tal me é permitido confessar) pela obra realizada – quer em termos de resultados, como pelo que ela contribuiu para a promoção e a dignificação da imagem de Portugal nos Países Nórdicos.        

 

 


César Faustino

Jornalista, fundador e Director do Centro de Turismo de Portugal na Escandinávia, de 1965 a 1972 e de 1979 a 1992 – e, cumulativamente, da primeira Delegação Comercial Portuguesa nos Países Nórdicos (1967-1972). Desempenhou também as funções de Conselheiro de Imprensa e de Adido Comercial e de Turismo das Embaixadas de Portugal em Estocolmo e Helsínquia. Quando da extinção do Instituto de Promoção Turística, em 1992, era o decano dos Directores das Delegações do Turismo Português no estrangeiro. Condecorado pelo Presidente da República de Portugal com as comendas das Ordens do Infante Dom Henrique e do Mérito e pelo Rei da Suécia com a comenda da Ordem Real da Estrela Polar – tendo recebido em 2013 o Troféu “Consagração Turística” da Associação dos Jornalistas Portugueses de Turismo.

More Posts

Você pode gostar...

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *