Curiosidades filológicas

Figura1

HOSPEDAGEM, ALOJAMENTO e ACOMODAÇÃO são três vocábulos que, de uma maneira geral, se empregam indiscriminadamente para definir o mesmo conceito, ou seja, o de utilizar instalações adequadas para descansar e passar uma ou mais noites, quando as pessoas têm de deslocar-se, por qualquer motivo.

O termo HOSPEDAGEM provém do étimo latino HOSPES (nominativo) que deu origem, na língua portuguesa ao HÓSPEDE, HOSPEDARIA, HOSPEDAGEM, por via direta, mediante a simples supressão da consoante final. HOSPES em latim significa ‘hóspede’, quer se trate de pessoa convidada pelo proprietário da casa onde se instala, quer se trate de pessoa a quem é prestado um serviço personalizado a que corresponde uma remuneração contratada previamente.

Mas este mesmo étimo, no genitivo – HOSPITIS – deu lugar, também por via direta, aos vocábulos HOSPITAL, HOSPITALIDADE, etc. Ora o conceito de HOSPITAL é o de um lugar onde as pessoas recebem um tratamento ou assistência pessoal e cuidadosa. Daí que o termo hospitalidade se empregue frequentemente para definir as atenções e a cortesia com que o anfitrião recebe os seus hóspedes ou convidados. As línguas anglo-saxónicas absorveram o vocábulo integralmente, de tal forma que, na linguagem hoteleira e turística se usa constantemente o termo ‘Hospitality’ para designar o teor de uma instalação ou de uma receção destinada a receber os convidados de um patrocinador: ‘Hospitality Suite’, ‘Hospitality Desk’, etc..

O mesmo étimo deu igualmente origem provavelmente ao vocábulo inglês HOST (Hóspede) pela síncope da sílaba ‘pi’ e a apócope das duas últimas letras, o qual teria dado lugar ao aparecimento do termo ‘HOSTAL’ com que os espanhóis identificam certo tipo de alojamentos hoteleiros. Mas não só. O vocabulário HOTEL provém também de HOSPITIS, assim como os vocábulos ESTALAGEM’, ESTALAJADEIRO, etc., estes por via popular e do étimo, em que a sílaba ‘es’ substituiu a sílaba ‘hos’ dada a semelhança fonética. Trata-se efetivamente de uma corruptela que é vulgar nos processos de derivação etimológica.

Já no que se refere ao termo ALOJAMENTO ele provém, conjeturalmente, de ‘LOJA’, que era a dependência térrea destinada, nas casas antigas, a instalar os viandeiros ou passantes, muitos deles peregrinos a caminho dos santuários religiosos. Ainda hoje, em certas zonas do interior, a parte nobre das casas rústicas se situa no primeiro andar, e ao lado do alpendre se encontra a ‘loja’ que é, no fundo, uma área coberta e isolada que tem diferentes serventias, uma das quais poderia ter sido a de acomodação.

O termo ACOMODAÇÃO deriva da palavra ‘COMODO’ ou seja área coberta, independente e que dispõe de privacidade e meios básicos de comodidade para descanso ou repouso. Este vocábulo teve muito uso no século passado, pois a dimensão das casas media-se pelo número de cómodas. Isto não significa que todos os cómodos da casa se destinassem a acomodação de pessoas, porquanto se consideravam cómodos todas as dependências, independentemente da sua finalidade. Os franceses utilizam a palavra ‘piéce’, os portugueses ‘quarto’ ou ‘sala’, os espanhóis ‘pieza’, os ingleses e americanos ‘room’.

E foi este vocábulo que deu origem à palavra ‘COMODIDADE’ no sentido de isolamento e privacidade, apesar de hoje se entender por comodidade algo mais completo que inclua o mobiliário, facilidades de higiene próprias, decoração adequada e, numa palavra, CONFORTO.

Na linguagem técnica utiliza-se hoje, entre transitários e transportadores, o termo ‘COMMODITY’ para significar um produto específico que é embalado e transportado entre dois ou mais pontos, em quantidades regulares, com remessas garantidas, para os quais se aplicam tarifas especiais conhecidas por ‘commodity rate’ ou simplesmente por ‘co-rate’.

A língua inglesa utiliza o vocábulo COMMODITY referenciado a um tipo determinado de produção agrícola ou industrial de grande consumo e mesmo alguns bens de equipamento duradouro, sendo vulgar na nomenclatura do comércio internacional a aplicação deste termo com aquele significado, provavelmente porque os produtos a que chamam de COMMODITY constituem uma forma efetivamente cómoda de servir, pelas suas características, os consumidores.

HOSPEDAGEM, ALOJAMENTO e ACOMODAÇÃO, que utilizamos, como atrás referi, para definir o mesmo conceito, revelam apesar de tudo, entre si, diferenças de orientação e desdobramento etimológico que consagram a versatilidade e o enriquecimento da língua portuguesa, hoje tão mal tratada pelo abuso sistemático de palavreado estrangeiro a que não somos capazes de opor-nos com inovação, criatividade e determinação.


Celestino Domingues

Celestino Domingues exerceu atividade em sectores diversos como agências de viagens, companhias de transporte aéreo e hotéis. Docente nas Escolas de Hotelaria e Turismo do Algarve (Faro) e de Lisboa, foi igualmente monitor de diversos cursos de especialidade. Viveu e trabalhou em diversos países (Brasil, Japão, Reino Unido). No desempenho de cargos oficiais destacam-se o de Chefe de Gabinete do Secretário do Estado do Comércio Externo do IV Governo (1978-1979) e o de assessor técnico do Secretário de Estado do Turismo (1981-1982).
Autor, entre outras, das obras Prontuário turístico (ESTHE/ INCM 2013; INFT: 1980, 1997), Quatro décadas de turismo: contributo de uma Instituição (IFT: 2004), Manual de informação turística (IPT: 1990), Dicionário técnico de turismo (D. Quixote: 1990), Turismo e transporte aéreo (INFT: 1972), publicou ainda um significativo número de artigos na imprensa da especialidade e participou na elaboração de planos, estudos e projetos vários em Portugal e no estrangeiro.

More Posts - Website

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *