Poemas de pedra: uma cartografia possível dos castelos portugueses

No caso dos mapas com propósitos de divulgação turística dos lugares, salientam-se aqueles que recorrem aos pictogramas1 e a todo um desenho gráfico de contextualização para fazer dos ‘mapas turísticos’ a tela ideal para explorar as sempre contestadas construções dos lugares e das identidades nacionais, regionais ou locais.

Existem diversos trabalhos dedicados à investigação dos processos de investimento ideológico na composição de locais turísticos que ajudam à compreensão das narrativas elaboradas para a construção cultural da ‘atração’ digna de ser visitada (Alves, 1997; Branco, 1999; Pires, 2003; Aurindo, 2006, entre outros). Para o estabelecimento destas ‘atrações’ concorrem várias representações veiculadas sob formas e meios de comunicação e divulgação diversificadas, dando forma à atração turística enquanto “an empirical relationship between a tourist, a sight and a marker (a piece of information about a sight)” (MacCannell, 1999, p. 41).

O “edifício propagandístico do Estado Novo [tratou] (…) desde cedo de cosmetizar turisticamente a cultura popular”, nomeadamente por via do trabalho desenvolvido pelos Secretariado de Propaganda Nacional (S.P.N.)/ Secretariado Nacional de Informação, Cultura Popular e Turismo (S.N.I.), “alicerçando convenções turísticas que ajudam a vestir a Nação e a sua identidade nacional” (Pires, 2003, p. 17). “Essa cosmetização irá decorrer em várias frentes de diversificação do regime, uma das quais será, em lugar de destaque, o papel dedicado ao Turismo por parte do poder político.” (ibidem: p. 20).

Os mapas cuja reprodução agora iniciamos, publicados em diversos números da Revista de Turismo durante os anos 50 são apenas exemplos visualmente atrativos de um trabalho de estilismo visual que visou a formatação do gaze turístico (Urry, 1990) e que permitiu ‘vestir’ Portugal com roupas pitorescas e acessórios tradicionais, que ainda hoje subsistem no imaginário de muitos quando pensam no destino turístico Portugal e que só nas últimas décadas assistiu a uma modernização da imagem veiculada, mantendo-se contudo no leque de atrativos turísticos muitos dos símbolos identitários cuja imagética tem vindo a ser alvo de promoção.

Figura 1

Figura 1

O primeiro número de Portugal: País de Turismo, datado de 1953 é dedicado ao VIII Congresso e Assembleia Geral da União Internacional de Organismos Oficiais de Turismo (U.I.O.O.T.). Decorrido em Lisboa em Outubro desse ano, regista uma breve apresentação da U.I.O.O.T. pelo delegado português, Dr. Jorge Felner da Costa, dá as boas vindas e apresenta os quarenta e cinco delegados dos vários países que se fizeram representar neste evento de importância mundial. Esclarece a constituição de vários dos Comités e Comissões, e apresenta os programas das sessões, receções, manifestações sociais e excursões. Só depois é apresentado um breve resumo da história de Portugal, bem como algumas notas sobre a sua atualidade, contextualizando assim um conjunto de textos sobre o património e a cultura portugueses (monumentos, trajes,…) para em seguida dar a conhecer a cidade de Lisboa, onde se desenrola o referido evento (Andrade & Ferreira, 1953).

Figura 2

Figura 2

É neste contexto que surge reproduzido o mapa dos «Castelos de Portugal; Castles of Portugal; Chateaux de Portugal2 inserido no artigo Monumentos Portugueses: Poemas de Pedra, mostrando como “nas nações, a produção das identidades passa pela objetivação de um passado no presente, sujeito a invenções e adequações, mas destinado a aureolá-las com o prestígio que a antiguidade confere” Sobral (Sobral, 1999, p. 84). A representação cartográfica, oferecida como encarte desdobrável é ainda acompanhada, no verso, do seguinte texto:

“Portugal é um dos países da Europa Ocidental que conservam maior número de castelos medievais.

Desde a época em que adquiriu a independência até ao momento em que as fronteiras se estabilizam – depois de conquistadas aos muçulmanos as planícies do Alentejo e a região que corresponde à actual província do Algarve – são construídas no país muitas fortalezas, a que recentes trabalhos de consolidação e de restauração procuram dar o aspecto que apresentavam, quando a ameaça das invasões muçulmanas não havia ainda desaparecido e era latente o perigo de guerra com Castela.”3

A possibilidade de destacar este ‘suplemento’ e a edição trilingue denunciam a vontade de utilizar este tipo de documentos no seio de uma publicação periódica temática como materiais de promoção turística nacional e internacional dos atrativos patrimoniais e culturais oferecidos pelo território português.

 

Obras Citadas

Alves, V. M. (1997). Os etnógrafos locais e o Secretariado da Propaganda Nacional. Um estudo de caso. Etnográfica, I(2), p. 1997.

Aurindo, M. J. (2006). Portugal em Cartaz: representações do destino turístico (1911-1986). Lisboa: Centro de Estudos Geográficos.

Branco, J. F. (1999). A fluidez dos limites: discurso etnográfico e movimento folclórico em Portugal. Etnográfica, III(1), pp. 23-48.

MacCannell, D. (1999). The tourist: a new theory of the leisure class. California: University of California Press.

Pires, E. C. (2003). O baile do turismo: turismo e propaganda no Estado Novo. Casal de Cambra: Caleidoscópio.

Silva, A. A. (2006). Gráficos e Mapas: representação de informação estatística. Lisboa: LIDEL.

Sobral, J. M. (1999). Da casa à Nação: passado, memória, identidade. Etnográfica, III(1), pp. 71-86.

Urry, J. (1990). The tourist gaze: leisure travel in contemporary societies. Londres: SAGE.

 

 

 

  1. “Os pictogramas são símbolos gráficos que representam uma imagem ou uma ideia.” (Silva, 2006, p. 157) []
  2. Estão representados pictoricamente os seguintes castelos: Guimarães, Montalegre, Chaves, Algoso, Leça do Bailio, Vila Real, Feira, Belmonte, Pombal, Leiria,m Castelo Branco, Belver, Santarém, Almourol, Castelo de Vide, Belém, Lisboa, Estremoz, Palmela, Évora, Alvito, Santiago do Cacém, Beja, Silves. []
  3. Apresentação em outras duas línguas, com os seguintes textos:“Portugal is one of the countries of western Europe, which retains greater number of medieval castles.Since the conquest of independence, in the second third of 12th century, to the moment when frontiers are stabilized after the conquest from the Moors of the p’ains of Alentejo and the region which nowadays corresponds to the province of Algarve (end of the first half of the 13th century), many fortresses are built in the country. Recent works of consolidation and restauration have attempted to give these fortresses the aspect which they present[e]d when the danger of moorish invasions had not disappeared and war with Castile was also a latent danger. | Le Portugal est un des pays de l’Europe Occidentale que guarde le plus de châteaux moymageaux. Depuis l’acquisition de son independance nationale jusqu’au moment ou ses fortières durivrent définitives – après la conquête aux Maures des plaines de l’Alentejo et la région qui correspond à la province de l’Algarve – on a construit un grand nombre de fortresses. Depuis quelque temps, on s’efforce, moyemant des travaux de consolidation et de restauration, à leur redonner leur aspect primitif du temps où la menace des invasions mussulmanes n’avait pas encore cessé et où continuait de danger de guerrec avec la Castille.” []

Maria Aurindo

Licenciada em Geografia e Planeamento Regional (Variante Humana), Pós-Graduada em Gestão Turística de Sítios e Mestre em Antropologia (Especialidade Antropologia do Turismo). Técnico Superior da Biblioteca Celestino Domingues.

More Posts

Follow Me:
LinkedInGoogle Plus

Você pode gostar...

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *