Intermediação no turismo

Não sendo a filologia uma ciência à qual os profissionais e estudiosos do turismo tenham dedicado expressiva atenção, torna-se por vezes difícil quando não impraticável, conhecer, entender e interpretar termos ou expressões, simples ou compostas, que fazem parte do léxico que utilizamos vulgarmente em texto ou palavra. É o caso do vocábulo ‘agente’ a que, provindo do verbo latino, ago-agis-actum, foi concedida desmesurada abrangência que se caracteriza pela vastidão das atividades que seria penoso, senão mesmo quase impossível identificar.

Não é intenção deste escrito historiar a evolução que, ao longo de séculos, o agente como instrumento de mercado, foi acrescentando poder à sua atuação, quer sob a forma de representante do setor produtivo, quer na sua atividade de intermediação e diálogo com o consumidor.

Pretendendo, no nosso caso que regista o aparecimento dos primeiros agentes ou mediadores na área dos serviços turísticos, atribuir-lhes a quota-parte de intervenção que lhes é conferida pela especificidade da sua atuação, temos de registar o inegável facto de que o agente que opera na área do turismo, tem escasso historial, devido às circunstâncias que todos conhecem, ou não fossem os pacientes leitores suficientemente documentados sobre o carácter efémero do processo a que, na sua maioria, estão associados.

Não me consta que alguém, em Portugal e até hoje, tenha dedicado algum tempo a refletir sobre a evolução desta atividade. Sabe-se porém que, em Junho de 1919, um decreto governamental define as circunstâncias em que os ‘agentes de passagens e passaportes’ que eram também conhecidos como ‘agentes de imigração e de passagens’ podiam atuar, devido ao facto de ser praticamente impossível controlar a ação clandestina de supostos agentes de imigração, sem licença e sem alvará, furtando-se ao pagamento de impostos, pululavam no país, recrutando candidatos à emigração, uma vez que as companhias de navegação que operavam para destinos tradicionais não dispunham de capacidade organizativa para poderem, elas próprias, efetuarem a venda de títulos de transporte, nas diferentes regiões do país, através de uma rede sólida de representantes ou angariadores.

Foi justamente por se aperceber desta situação insustentável que se ia transformando num fenómeno de estímulo à emigração que englobava vulgarmente promessas de difícil cumprimento, que o Governo assumiu controlo e fiscalização desta atividade.

Assim foi que, por legislação publicada em Junho de 1919 se define a condição em que os agentes de imigração e passagens estão autorizados a desenvolver a sua atividade de forma regulamentar e disciplinada, situação essa que vai vigorar até 1957, ano em que, revogadas todas as normas em vigor, o Governo torna público um decreto-lei que estabelece as bases do que se considera ser o primeiro diploma com efeitos substantivos na prática da atividade.

O agente de viagens deixava já de ser apenas um quase imprescindível angariador de passageiros ou representante de um operador de transportes, para passar a ser um dinamizador de uma procura que registava incessante crescimento, sustentado por uma oferta cada vez mais diversificada e atraente, tanto na área dos meios de transporte como na esfera dos alojamentos.

A grande diferença era, e é porém, a flexibilidade e versatilidade dos sistemas de mobilidade que contrasta com a oferta de transporte bastante rígida.

Conjugação que vai transformando as características do agente, o qual passa, também ele, et pour cause, a ser um produtor de serviços quando integra no seu portfólio os elementos básicos da deslocação: a mobilidade e o acolhimento, processo enriquecido com serviços complementares diversificados como o transfer, o guia-intérprete, o transporte urbano local ou regional, o circuito turístico, os espetáculos, as reuniões sociais, profissionais e outras.

Rapidamente estende a sua atividade à organização de acontecimentos (ou eventos como hoje se diz), de congressos e incentivos, de feiras e exposições, criando núcleos de produção que, através de redes organizadas ou de representantes (sub-agentes) autónomos, oferecem e vendem os seus produtos no mercado.

word cloudDe angariador de passageiros passou a operador utilizando e explorando a escala média do retalho ou transformando-se em ‘wholesaler’, sinónimo na linguagem popular de ‘armazenista’.

A multiplicidade dos serviços que o desenvolvimento económico ia colocando à disposição da sociedade tornou-se o núcleo criador de especificidade que, incapazes de abranger as condições de um mercado cada vez mais exigente deu lugar ao agente transitário, ao agente de viagens, ao agente imobiliário, ao agente de turismo, ao agente de seguros, ao agente de câmbios, ao ‘trader’, ao ‘broker’, ao ‘consolidator’, ao ‘shipchandler’, ou seja, um numeroso grupo em que proliferam isolados ou em rede, profissionais de marketing cada vez mais sofisticados.

No espectro do fenómeno turístico, o vocábulo ‘agente’ tem vindo a ser apenas interpretado como intermediário entre consumidor ou cliente e o prestador de serviços, o que torna mais complexa a definição clara e objetiva da sua atividade.

 


Celestino Domingues

Celestino Domingues exerceu atividade em sectores diversos como agências de viagens, companhias de transporte aéreo e hotéis. Docente nas Escolas de Hotelaria e Turismo do Algarve (Faro) e de Lisboa, foi igualmente monitor de diversos cursos de especialidade. Viveu e trabalhou em diversos países (Brasil, Japão, Reino Unido). No desempenho de cargos oficiais destacam-se o de Chefe de Gabinete do Secretário do Estado do Comércio Externo do IV Governo (1978-1979) e o de assessor técnico do Secretário de Estado do Turismo (1981-1982). Autor, entre outras, das obras Prontuário turístico (ESTHE/ INCM 2013; INFT: 1980, 1997), Quatro décadas de turismo: contributo de uma Instituição (IFT: 2004), Manual de informação turística (IPT: 1990), Dicionário técnico de turismo (D. Quixote: 1990), Turismo e transporte aéreo (INFT: 1972), publicou ainda um significativo número de artigos na imprensa da especialidade e participou na elaboração de planos, estudos e projetos vários em Portugal e no estrangeiro.

More Posts - Website

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *