De Mega a Tera passando por Giga (2)

Em 1914, Fausto de Figueiredo, adquirindo no Estoril a Quinta do Viana, em parceria com Carreira de Sousa, constitui uma sociedade destinada a promover a nascente de águas termais e a exploração de jogos de fortuna ou azar, cuja pertinente regulamentação havia sido já aprovada pela Câmara de Deputados, dois anos antes.

Para tanto o projeto incluía a construção de um cineteatro, de um Palace-Hotel, de um estabelecimento termal, um pavilhão desportivo, um casino e um campo de golfe. E contava com sensível melhoramento da via ferroviária Lisboa-Cascais e a perspetiva de uma também desejada e futura ligação rodoviária a Paris.

Visão ou Megalomania?

Provavelmente ambas, pois que além de verosímil e eventualmente justificável, por ter sido hábito da corte e adjacente nobiliarquia passar por ali a época de verão, o autor e dinamizador do projeto era um homem determinado e de convicções.

Para além disso era profundo conhecedor de estâncias europeias, e sobretudo de Biarritz, que frequentava, levando o seu estímulo a construir com solidez a futura Costa do Sol, até então conhecida por Baía Dourada.

Valha-nos isso e a esperança de que o ‘Mega’ não o era tanto afinal.

Em 1916 a participação de Portugal na guerra, submisso e conveniente aliado do império britânico, atribuía-lhe o direito de apresar 72 navios de bandeira alemã e austríaca, surtos em portos nacionais, tornando o Estado proprietário de uma frota mercante (giga)ntesca que não tem capacidade de gerir por ser uma espécie de presente envenenado a sua integração na tonelagem nacional.

A empresa Transportes Marítimos do Estado é obrigada a vender os navios a preço de saldo. Este é um dos casos em que, por inexistência de um megaprojeto, havia ao contrário um megaproblema.

Em 1925, estão registados em Portugal 9535 automóveis de turismo, mas o A.C.P. detentor por delegação da F.I.A. do poder desportivo, avança já com a ideia de se construir um autódromo para competição, deleite e divertimento dos poucos privilegiados que possuem meios financeiros para adquirir e sustentar tão desejados quanto dispendiosos veículos.

Visão ou Megalomania?

Em 1929, o Governo anuncia a intenção de promover a construção de um aeroporto internacional na cidade de Lisboa. A frota aérea portuguesa, porém, integrada numa pequena empresa designada por S.A.P. – Serviços Aéreos Portuguesa dispõe apenas de pequenos aviões Junckers G-24 de 9 lugares destinados a assegurar carreiras entre Lisboa e Madrid e Lisboa e Sevilha, entretanto e por motivos quase óbvios, abandonadas.

Visão ou Megalomania?

Em 1965 e longe de se prever a dimensão da atividade turística nos tempos que se vão seguir, surgem neste ano dois projetos de grande dimensão cujo investimento inicialmente modesto vai alcançar, para um país pequeno como Portugal, proporções avantajadas. Tais projetos vão sofrer, como muitos outros, imponderáveis vicissitudes mas demonstram capacidade atrativa de turismo de veraneio e lazer. São eles o projeto de Vilamoura, no Algarve, situado na região de Quarteira (Loulé) e o de Tróia, na península que ao sul de Setúbal, a liga ao Alentejo.

Sobre estes dois projetos que têm inicialmente características megalómanas, se fala mais adiante.

Serão, porém, fortes e dilatadas no tempo, as múltiplas dificuldades que vão sucessivamente atrasando o sonho de Tróia, submetido por razões nunca suficientemente explicadas, a permanentes alterações que resultam, possivelmente, de problemas financeiros, de modificações de maior ou menor envergadura, de crises que se sucedem num longo percurso que não terá ainda atingido o seu ponto final.

É caso para perguntar se não estamos perante um megaprojeto que virou gigaprojeto e não atingirá certamente a esfera, certamente não esperada nem desejável, de teraprojeto.

Ainda não há muito tempo os promotores desejavam atingir o enorme número de 80.000 camas!

Já o projeto de Vilamoura que virá a fixar-se como o mais ou um dos mais importantes, se foi desenvolvendo paulatinamente em equilibrada expansão, baseado sobretudo na construção da marina e na ampliação das estruturas destinadas à prática do golfe, apoiada pelo aumento da capacidade de acolhimento e atividades de lazer, mediante a construção de hotéis e outros diversificados meios de alojamento.

Figura 1 - Vilamoura. © A Terceira Dimensão - Fotografia Aérea

Figura 1 – Vilamoura. © A Terceira Dimensão – Fotografia Aérea

Ao contrário dos impulsos grandiosos, fruto também de uma época de progresso material impulsionado pelo ambiente pós-guerra, Vilamoura não surge como um projeto megalómano.

Em que ficamos?

Visão ou Megalomania?

À medida que, protegido pela União Europeia e pelo Euro, o país vai evoluindo e modernizando-se, continuam a surgir na espuma imaginativa de governantes ambiciosos e pouco dados ao conhecimento das realidades, projetos que supõem os ditos constituirão base sólida de desenvolvimento, de ténue senão impossível materialização.

Como exemplos registamos a Cimeira Luso-Espanhola da Figueira da Foz em 2003, na qual se estabelece o acordo para a construção de 5 “cinco, imagine-se!” linhas de caminhos-de-ferro de alta velocidade, respetivamente Porto-Vigo, Lisboa-Madrid, Aveiro-Salamanca, Faro-Huelva e Lisboa-Porto que deveriam estar operacionais em 2014!

E dois anos mais tarde, Portugal é palco do campeonato europeu de futebol que, não obstante a intensa propaganda que se afirma no estrangeiro, obriga à construção de três novos estádios, bem como importantes e imperiosas alterações em outros, constatando-se passados poucos anos que a sua capacidade fica largamente sobredimensionada e alguns têm nula ou reduzida utilização.

Não satisfeitos com tanto esbanjamento de energia e recursos, pareceres e miragens e apesar de, perto de Lisboa (Estoril) se ter construído um excelente autódromo, quase inativo, concluem-se as obras de mais outro, no Algarve, com o custo astronómico de 19.5 milhões de euros, suportado pelos seus financiadores que, apesar de tudo, beneficiaram do esquema de estímulos dos projetos P.I.N. (Projetos de Interesse Nacional).

É apenas uma (estranha) curiosidade: o autódromo é concluído sem que se tenha garantida a consolidação de um programa de atividades desportivas.

Visão ou Megalomania?

Vem a seguir a decisão de, repudiada a ideia da construção do aeroporto internacional de Lisboa na Ota, tal infraestrutura se situar na margem sul do Tejo, numa área ocupada pelo campo de tiro de Alcochete.

Para trás ficam Rio Frio, falado desde há mais de 50 anos e a Ota porque, neste último caso, se esqueceram os decisores dos problemas geotopográficos e operacionais resultantes das características do terreno.

A região de Lisboa porém está recheada de aeródromos: Sintra, Alverca, Tires, Montijo, Ota e Monte Real! Singulares megaprojetos que enchem gavetas e armários dos serviços públicos!

Visão ou Megalomania?

País insaciável, acatemos outra iniciativa, mal medida, mal pensada, isenta de estudos preliminares de impacto socioeconómico e desarticulada da realidade, é o aeroporto de Beja, pomposamente rotulado de Aeroporto Internacional do Alentejo, cujo desenho previa a construção de duas pistas, a principal com 3450 metros e a secundária com 2951 metros.

Construído no meio do nada, para lá foram 33 milhões de euros na presunção de que a atração da proximidade do Alqueva alimentaria o sonho do turismo low cost que se desviaria de Lisboa e Faro para ali estimular um turismo que seria quase exclusivamente de lazer.

E lá se foi construindo uma autoestrada (A26) que vai ficar suspensa durante décadas à espera que algum sonhador P.I.N. ali perto lhe venha dar vida.

Visão ou Megalomania?

E como se o país não estivesse já repleto de megaprojetos, aí vem mais um, em 2010, a que se dá o sonoro nome de Roncão de El-Rei que representa um investimento de 1.000.000.000 de euros em pleno solo, também alentejano e junto do Alqueva.

O plano consiste na construção de 7 hotéis de luxo, 4 campos de golfe, 2 marinas, 1 centro equestre, 1 campo de férias, unidades de saúde, centro de conferências, aldeamentos turísticos, produção agrícola biológica, ciclo e eco vias, bem como um numeroso conjunto de atividades complementares.

Visão, Mega, Giga ou Teromania?

Não vamos mais longe nesta descrição de sonhos ou dourados pesadelos, alguns dos quais associados a projetos exequíveis revelando todos porém que o “pensar grande” nem sempre é produtivo. Prova-se porém que o português ou é atrevido ou sonhador ou empreendedor e, muitas vezes, megalómano.


Celestino Domingues

Celestino Domingues exerceu atividade em sectores diversos como agências de viagens, companhias de transporte aéreo e hotéis. Docente nas Escolas de Hotelaria e Turismo do Algarve (Faro) e de Lisboa, foi igualmente monitor de diversos cursos de especialidade. Viveu e trabalhou em diversos países (Brasil, Japão, Reino Unido). No desempenho de cargos oficiais destacam-se o de Chefe de Gabinete do Secretário do Estado do Comércio Externo do IV Governo (1978-1979) e o de assessor técnico do Secretário de Estado do Turismo (1981-1982). Autor, entre outras, das obras Prontuário turístico (ESTHE/ INCM 2013; INFT: 1980, 1997), Quatro décadas de turismo: contributo de uma Instituição (IFT: 2004), Manual de informação turística (IPT: 1990), Dicionário técnico de turismo (D. Quixote: 1990), Turismo e transporte aéreo (INFT: 1972), publicou ainda um significativo número de artigos na imprensa da especialidade e participou na elaboração de planos, estudos e projetos vários em Portugal e no estrangeiro.

More Posts - Website

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *