Conhece Lisboa?

Figura 1

Figura 1

Conhece Lisboa? Não me refiro aos centros comerciais ou aos parques de estacionamento em Lisboa; refiro-me a Lisboa, a capital portuguesa, às suas ruas, às pessoas, à sua luz. Já se sentou “no cais, a ver ao longe o mar e a ponte sobre o Tejo” (Heróis do Mar, Só Gosto de Ti)? Já reparou que sobre plena urbe cosmopolita esvoaçam pardais, andorinhas, pombos e… gaivotas? Os Amália Hoje não as inventaram; elas existem mesmo na zona ribeirinha. Afinal, o oceano Atlântico é logo ali à frente.

Já sentiu o suave odor da maresia, no Verão, ou das castanhas assadas, no frio do Outono, em pleno Rossio? Já vislumbrou a paisagem urbana do topo do elevador de Santa Justa, percorreu Alfama no 28 ou foi tomar um copo ao Bairro, aí chegando levado por “dois carris de metal, na calçada do asfalto”, os do elevador da Glória (Rádio Macau)?

Figura 2 - Praça do Comércio (Lisboa). Foto C. Carvalho

Figura 2 – Praça do Comércio (Lisboa). Foto C. Carvalho

Já reparou que até com pedras há mestres calceteiros que montam puzzles geométricos tão sublimes que esta arte decorativa urbana transforma um rude pavimento numa tela ímpar de usufruto quotidiano? É genial! Como ainda não reparou? Experimente percorrer a Avenida da Liberdade e descubra quantos padrões consegue contabilizar. Já percebi: não tem tempo, não vai dar.

Então e já se deu conta das galerias de arte contemporânea e subterrânea que milhares de pessoas atravessam todos os dias, isto é, as estações do Metro? Há-as para todos os gostos: da ironia do apressado coelho de Alice no Cais do Sodré, à BD da Oriente, passando pela omnipresença do Marquês, tendo ele direito a estátuas à superfície e no subsolo. Rolhas; a cabeleira que Cutileiro lhe forneceu parece ser feita de rolhas de mármore. Original, to say the least! Vá lá, permita-se admirar uma ou outra estação enquanto ruma ao emprego ou se embrenha “entre a chuva dissolvente” no seu caminho de casa, nessa corrente de gente que, ao fim do dia, se arrasta (Xutos e Pontapés).

Já constatou que é nas (velhas) Avenidas Novas que está exposto o melhor acervo de azulejos em Art Nouveau da cidade, e não no museu da Madre de Deus? São sublimes, de cortar a respiração… Por falar em respirar, gosta de verde? E de lilás? Em Maio, o Parque Eduardo VII serve de palco à Feira do Livro, mas já reparou nos jacarandás em flor?

Figura 3 - Azulejos da autoria de Viriato Silva produzidos na Fábrica Constância. Rua das Janelas Verdes, nº 70-78 (Lisboa).

Figura 3 – Azulejos da autoria de Viriato Silva produzidos na Fábrica Constância. Rua das Janelas Verdes, nº 70-78 (Lisboa).

Ora, se falei em verde tenho também de mencionar a outra cor… da bandeira lusitana. Ainda as há nas janelas. Conhece a sua bandeira? E os candeeiros públicos em ferro forjado com barca e corvos a ladeá-la? Conhece a lenda por detrás deste símbolo no brasão alfacinha? Ora, no meio de tanta ave referida, ainda não lhe perguntei se sabe onde está a escultura de uma águia na Baixa. Ok, admito: não é uma águia; é uma Fénix. Pessoalmente agrada-me a ideia de que um Carvalho ancestral fosse benfiquista logo no Século XVIII, mas o majestoso animal em calcário é mesmo uma Fénix. As chamas que a sustêm comprovam-no… Pity… Oh, well contento-me com a certeza de que a estátua do Marquês de Pombal subjuga o leão josefino com o toque subtil da sua mão, bem lá no topo da Avenida. Desculpe: não resisti à piada fácil!

Já agora, sabe que há material promocional que compara Lisboa à cidade americana de São Francisco? Get real! A nossa capital tem 3.200 anos, mas Lisboa é uma verdadeira “menina e moça” (Carlos do Carmo) graças ao Marquês, o qual operou nela um facelift fantástico, não acha? Ninguém lhe dá mais de 260 anos!

Bem, quanto a si, não sei, mas já apetecia um café na Brasileira, uma ginjinha no Rossio ou até mesmo lanche completo na Suíça. Prefere a Confeitaria Nacional? É uma ideia, mas então e se fôssemos ao pastel de nata no Martinho e, em seguida, começássemos a conhecer um pouco de Lisboa, a pé, a partir do Terreiro do Paço?

Desde que, em 2006, passei a descobrir Lisboa com o curso de Informação Turística, decidi juntar a teoria lecionada nas aulas de Inglês II à prática de uma visita in loco. Sendo Guia-intérprete oficial formada na ESHTE em 1995 e, há mais de uma década, docente de Língua e Cultura Inglesa, tenho realizado passeios anuais de 3 horas pela Baixa-Chiado, visando sensibilizar os estudantes recém-chegados a IT para a beleza da nossa capital (e que muitas vezes é mais apreciada pelos visitantes, do que por nós).

Que requisitos iniciais transmito aos estudantes? Tennis shoes, umbrella, and a thirst for knowledge.


Cristina Carvalho

Licenciada em Informação Turística (Guias-intérpretes Nacionais) pela ESHTE e mestre em Estudos Ingleses. Apresentou o seu doutoramento em 2013 com a tese O Turismo no Eixo Costeiro Estoril-Cascais (1929-1939): Equipamentos, Eventos e Promoção do Destino; equiparada a Professora-Adjunta da Escola de Hotelaria e Turismo do Estoril (ESHTE), é também investigadora do Centro de História da Faculdade de Letras de Lisboa, tendo diversos artigos publicados a nível nacional e internacional.

More Posts

Você pode gostar...

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *