A linha de Cascais e a Sociedade Estoril

A 30 de Setembro de 1889 inaugurou-se o Ramal de Cascais, com extensão ferroviária então até Pedrouços, depois complementada com ligação marítima à capital. Esta iniciativa conduziria “ao desenvolvimento costeiro de núcleos habitacionais perto dos apeadeiros criados” (Anjos, 2012, p. 32) e, a 29 de Março de 1915, a criação da Sociedade Estoril (SE) com objectivos turísticos, urbanísticos e promocionais (O Século, 31 de Março 1915, p. 6) revolucionaria a gestão ferroviária em território lusitano.

Postal circulado em 1916 onde se vislumbram a igreja matriz do Estoril e a linha férrea. Coleção C. Carvalho.

Figura 1 – Postal circulado em 1916 onde se vislumbram a igreja matriz do Estoril e a linha férrea. Coleção C. Carvalho.

De facto, após vencer, em 1918, a concessão privada da Linha de Cascais, a SE dedicar-se-ia à renovação dos obsoletos barracões de madeira existentes ao longo do percurso por edifícios de pedra e alpendres em ferro forjado que podem ainda ser apreciados, no lado terra, em Cruz Quebrada e Santo Amaro de Oeiras, por exemplo. A empresa dedicaria ainda os primeiros anos de arrendamento à electrificação da via férrea, à substituição de locomotivas fumegantes por modernas automotoras de tracção eléctrica e à transformação da estação terminal do Cais do Sodré na carismática jóia da Art Déco delineada pelo Arquitecto Porfírio Pardal Monteiro. Esta primava pela arrojada dimensão e pluralidade das áreas interiores destinadas a facilitar a circulação de passageiros nacionais e estrangeiros rumo à elegante Costa do Sol, pois, “embora geograficamente deslocada, [a estação renovada anunciava e] compunha a imagem de partida, rumo ao resort Estoril” (Idem, p. 68)

Atenta às oportunidades de negócio, a SE aderiria a pacotes turísticos firmados com unidades hoteleiras na estância homónima, bem como a reduções de tarifas e aumentos de composições em circulação aquando da organização de eventos como as Festas de Lisboa de 1935 ou a Exposição Regional, Industrial e Agrícola de Oeiras de 1936, por exemplo. Também as inovações tecnológicas de além-fronteiras não passariam ao lado da SE que, entre nós, implementaria a produção de carruagens nas oficinas da CP (Caminhos de Ferro Portugueses), no Barreiro, a sinalização automática com sinais luminosos e sonoros (Idem, p. 257) ou a criação do circuito fechado de televisão na estação do Cais do Sodré, para maior informação dos utentes (Andrade (coord.), 2009, p. 105). Foi ainda na década de 1930 que a exclusiva estância Estoril seria ligada a Madrid e a Paris através da extensão do serviço do Sud-Express concertada entre a SE e a Compagnie Internationale de Wagons-lits (Anjos, 2012, p. 82).

O panorama ferroviário português seria fortemente alterado com a publicação da Lei 2008 de 1945 “sobre a Coordenação dos Transportes” (2004, p. 63), à qual se seguiu, em Janeiro de 1947, a nacionalização das principais empresas do sector, à excepção da SE (cuja concessão vigoraria até finais de 1976). A estação terminal cascalense seria re-edificada, como hoje a conhecemos, em Outubro de 1946.

A 15 de Setembro de 1960 reuniram no Hotel do Parque (a poucos dias da demolição) membros das sociedades Estoril e Estoril-Plage (a irmã, criada em 1923 para gerir a estância) e inúmeros representantes de entidades regionais e locais, como o edil de Cascais, o presidente da então Junta de Turismo da Costa do Sol, directores de periódicos como os diários de Lisboa, da Manhã, Popular, da Gazeta dos Caminhos de Ferro e de O Século, da Emissora Nacional, entre outros. O almoço visava celebrar a 1ª Conferência da Imprensa naquele mesmo local, em 1928. No seu discurso, o anfitrião António de Figueiredo anunciou melhorias projectadas para a estância, como o rebaixamento da ferrovia, após estudo do Engenheiro Brazão Farinha orçado em 27.500 contos e que seria exequível em 18 meses (1960, p. 266). Esta ligação subterrânea permitiria retomar a ligação do Estoril ao mar e a execução da obra não poria em perigo a circulação iniciada em 1889. Contudo, ela não viria a acontecer.

A 31 de Dezembro de 1976 terminaria a concessão privada da SE, revertendo a gestão da Linha de Cascais para a CP – Caminhos de Ferro Portugueses, a qual investiria mais tarde em obras na estação do Cais do Sodré que, em Abril de 1998, daria lugar ao interface (de gosto artístico questionável) que hoje vigora. Em 2009, a CP organizou uma exposição de materiais e imagens relativos aos 120 Anos da Linha de Cascais e, a 30 de Setembro de 2014, após restauro, ao longo destes carris voltou a circular uma composição museológica, o Comboio Presidencial, aquando da comemoração dos 125 anos da ferrovia (Oeiras Actual, 2014, p. 27).

Figura 2 – Cartaz da exposição 120 Anos da Linha de Cascais, 2009. Coleção C. Carvalho.

Figura 2 – Cartaz da exposição 120 Anos da Linha de Cascais, 2009. Coleção C. Carvalho.

Este artigo em que se recorda a fundação da Sociedade Estoril há cem anos não podia terminar sem recordar as expectativas actuais quanto ao futuro da Linha. Se, por um lado, o governo actual anunciou em Novembro de 2011 a futura concessão desta a privados, por outro, a Comissão de Utentes da Linha de Cascais receia que esse acto resulte, não na melhoria do conforto e do serviço oferecidos, mas antes no agravamento das tarifas praticadas (Costa do Sol, 2014, p. 2). Nesta via férrea circulam, anualmente, cerca de 30 milhões de passageiros (Costa do Sol, 2014, p. 2), boa parte dos quais turistas que, tal como se resgata pela leitura de diários e registos de viagens dos últimos séculos, ainda são assoberbados pela sublime paisagem que, subtilmente, funde Tejo e Atlântico sob a égide do astro-rei.

Obras Citadas

(Set/Out de 2014). Oeiras Actual, p. 27.

(24 de Setembro de 2014). Costa do Sol, p. 2.

(2014 de Setembro de 2014). Costa do Sol, p. 2.

(1 de Outubro de 2014). Costa do Sol, p. 2.

Andrade (coord.), M. (2009). 120 anos linha Cascais – A linha de Cascais na Gazeta dos Caminhos de Ferro. Lisboa: CP – Caminhos de Ferro Portugueses.

Anjos, M. (2012). O turismo no eixo costeiro Estoril-Cascais, 1929-1939: equipamentos, eventos e promoção do destino [policopiado]. Lisboa: FLUL.

D’Ornellas (dir.), C. (1 de Outubro de 1960). As Sociedades Estoril e Estoril-Plage. Gazeta dos Caminhos de Ferro, Ano LXXIII, nº 1747, pp. 263-270.

O Século. (31 de Março 1915).

Os Caminhos de Ferro Portugueses, 1856-2006. (2004). Lisboa: CP – Caminhos de Ferro Portugueses, Jornal O Público.


Cristina Carvalho

Licenciada em Informação Turística (Guias-intérpretes Nacionais) pela ESHTE e mestre em Estudos Ingleses. Apresentou o seu doutoramento em 2013 com a tese O Turismo no Eixo Costeiro Estoril-Cascais (1929-1939): Equipamentos, Eventos e Promoção do Destino; equiparada a Professora-Adjunta da Escola de Hotelaria e Turismo do Estoril (ESHTE), é também investigadora do Centro de História da Faculdade de Letras de Lisboa, tendo diversos artigos publicados a nível nacional e internacional.

More Posts

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *