A Cartofilia e o Turismo

Presumo que poucas pessoas se tenham dedicado a estudar ou a pesquisar a influência, a participação ou até o estímulo que a Cartofilia tem representado na promoção do turismo como meio de comunicação destinado a convivência social ou familiar, para além dos muitos outros atributos que são indelével apanágio das suas múltiplas funções.

Efetivamente, os aspetos mais relevantes da sua utilização resultam primariamente da necessidade de comunicação, núcleo de uma atividade já consolidada pela instituição do Correio-Mor, em Portugal, no início do século XVI.

A Cartofilia, tal como a situamos na atualidade, pode considerar-se uma atividade de colecionismo filatélico, com especificidades e regras próprias que se subdividem nas duas áreas: a do chamado “Inteiro postal” e a da “Maximofilia”.

A primeira baseada na produção de bilhetes ou cartões postais de dimensão padronizada, caracterizados pela impressão litográfica ou em relevo da imagem inspirada no selo adesivo com a correspondente tarifa postal inicialmente associada à efígie do/da monarca reinante à época da sua colocação à venda, sendo o espaço frontal reservado para o destinatário, e o do verso destinado à mensagem de texto adequado.

Consta que o primeiro ‘Inteiro postal’ teria sido emitido na Áustria em Outubro de1869 mas tal iniciativa havia sido rejeitada no Congresso Postal Alemão quatro anos antes, não se sabendo ainda hoje, com rigor, a data da sua primeira emissão.

Figura 1 – Inteiro Postal. Coleção particular Celestino Domingues

Figura 1 – Inteiro Postal. Coleção particular Celestino Domingues

Já a ‘Maximofilia’, conhecida nos meios filatélicos por T.C.V.’s, iniciais da frase colocada em língua francesa nos postais cujo selo era aposto na zona frontal do cartão, normalmente impressa ou escrita pelo emissor, com o significado de ‘Timbres Cotés Vue’, usando-se também ‘Timbres au Verso’. Porém, o processo evoluiu e a ‘Maximofilia’ passou entre 1925 e 1930 a representar a imagem gráfica da parte frontal do postal ilustrado, associada ao selo adesivo, colocado num canto, também frontal com imagem idêntica. O seu valor filatélico resulta de o selo estar ou não obliterado e de o bilhete-postal ter sido ou não objeto de circulação.

De qualquer forma, não é a filatelia o propósito deste escrito, mas antes a produção, distribuição e circulação dos bilhetes-postais ilustrados cuja manifesta utilidade começou a dar frutos em finais do século XIX.

De facto, entre o ‘Inteiro Postal’ de 1869, destinado apenas a ser utilizado como meio de comunicação mediante a exposição do texto a leitura pública e sem constrangimentos, e o cartão postal ilustrado tal como o conhecemos hoje, também ele liberto de tais restrições, a mais relevante diferença situa-se na compatibilização de dois espaços: o do endereço postal do destinatário, e da mensagem escrita (raramente codificada) e o espaço reservado para a reprodução de uma imagem que, monocromática ou polícroma, constitua só por si uma outra forma de mensagem, de informação, de divulgação, de autenticidade – neste caso simbolizada pelo sistema fotográfico, de reproduções de criação artística, de publicitação de acontecimentos relevantes, de interesse histórico, de homenagem e figuras de relevo ou grande prestígio, etc.

Figura 2 – Postal Máximo. Coleção Biblioteca Celestino Domingues

Figura 2 – Postal Máximo. Coleção Biblioteca Celestino Domingues

São inúmeros os temas tratados pelas empresas que, dedicando-se a esta atividade fizeram circular por todo o mundo, milhões de unidades.

Segundo Bento Grossinho Dias1, o primeiro postal ilustrado teria sido emitido em Março de 1872, em Zurique, com a reprodução de um trabalho do pintor Bávaro Francisco Borich, de Nuremberga, e a partir da Exposição de Paris, em 1889, os postais ilustrados passaram a ser produzidos em quantidades industriais em quase todos os países do mundo. Ou seja, foi a criação artística designadamente aquela que deu lugar à categoria temática conhecida pelos comerciantes e colecionadores como ‘postais de ilustradores’ que está na base das iniciativas pioneiras.

O mercado do bilhete-postal ilustrado amplamente estimulado pelas Administrações Postais de todos os países que nele viam óbvias vantagens económicas, associado aos quase inexistentes meios de comunicação tornou-se apetecível e veio contribuir definitivamente para o desenvolvimento dos processos técnicos que deram lugar à moderna sociedade.

Ao mesmo tempo que os viajantes, por não disporem de máquinas fotográficas, adquiriam postais representando monumentos, cenários urbanos, acontecimentos (feiras e exposições), costumes locais ou regionais que, enviados a amigos e familiares ou guardados no recato das suas malas para posteriormente recordarem os lugares por onde haviam passado.

O postal ilustrado2 passou a ser também o substituto da fotografia, um difusor da arte e da cultura, um meio de propaganda e publicidade, um repositório de memórias, e também, em alguns casos um veículo de manipulação política ou ideológica.

Importante, no nosso caso, é a contribuição inestimável que o postal ilustrado emprestou à promoção turística por desempenhar um papel de atração e curiosidade, muitas vezes transformado em desejo, e provavelmente ansiedade de que teriam resultado numerosas decisões de viajar e conhecer locais inicialmente e parcamente difundidos.

A oferta exponencial da capacidade de transporte com o extraordinário crescimento dos respetivos meios – caminhos-de-ferro, veículos motorizados, veículos de passageiros e aviões – alicerçados em infraestruturas e coberto por garantias de acolhimento e alimentação estimulados por agentes, operadores e instâncias governamentais, que cobiçaram o processo turístico como forma de desenvolvimento socioeconómico, foi tomando dimensões impensáveis quando se tentaram os primeiros passos na exploração dos recursos turísticos disponíveis ainda em fase prematura.

O bilhete-postal deixou de ser cartão-de-visita e os tempos que correm não parecem assegurar-lhe grande sucesso, porquanto a introdução de novos aparatos tecnológicos onde, em escassos segundos se registam imagens e acontecimentos associada à versatilidade dos meios, está transformando o bilhete-postal-padrão, num objeto quase inútil ou de vida efémera, tornando o que é apenas um produto turístico antiquado e, para alguns, um estimável objeto de coleção, como é o caso do autor destas linhas.

O bilhete-postal ilustrado continua a ser vendido em quiosques, bancas de jornais e livrarias, mas deixou de ter o impacto do produto comunicacional e turístico do início do século XX, bastando pensar na imensa quantidade de imagens que os novos processos permitem criar e arquivar na memória dos modernos sistemas informáticos.

Seria certamente uma surpresa, para muitos, dar a conhecer que no reinado de D. Luís (finais do século XIX) foram produzidos pela Administração Postal dezenas de milhões de ‘Inteiros Postais’, quantidade que justificou a publicação de catálogos de ‘Inteiros Postais’ portugueses pelos correios e telecomunicações de Portugal em 1985, em dois volumes, produzidos por José da Cunha Lamas e A. H. de Oliveira Marques, que representam, em conjunto, cerca de 400 páginas!

Como seria também surpresa referir que, só no Reino Unido, calcula-se que tenham sido produzidos, de 1895 até ao final de 1915, vinte mil milhões de postais ilustrados (v. Collecting Picture Postcards de Anthony Byatt, 1982).

Existem presentemente em todo o mundo muitas centenas de clubes e associações de colecionadores que organizam encontros, feiras, exposições e publicam boletins através dos quais efetuam trocas e muitos fazem negócios, explorando os mais diferentes temas, estilos, épocas, interesses filatélicos, sistemas de produção, materiais usados na confeção, fantasia, etc. de variedade quase incomensurável.

Em Portugal, existem vários colecionadores cujo número é impossível estimar, dado não se conhecerem clubes ou associações dedicados a esta temática e os poucos que se conhecem ou fazem conhecer aparecem episodicamente em público em publicações iconográficas relacionadas com cidades do continente e também das ex-colónias ou a temas específicos, incidindo sobre costumes ou assuntos de relativo interesse público.

A Biblioteca Nacional possui cerca de três dezenas de milhar de postais ilustrados entre os quais o mais antigo foi editado em 1894 por ocasião do centenário do nascimento do Infante D. Henrique, em 1895, mas quase todos incidindo sobre panoramas, topografia, edifícios históricos e monumentos, retratos de figuras salientes da cultura, da arte, da nobreza e costumes étnicos.

  1. Boletim da Associação Portuguesa de Maximofilia nº 60, Agosto 2001, página 42 []
  2. Temos de citar aqui a ausência de meios de comunicação comuns na época moderna como o telefone, a fotocópia, o fac-símile, ou fax, a telegrafia e o código morse, a rádio, a imprensa escrita periódica, o telex, a mensagem aberta ou codificada, a televisão, a rede informática e o email, o telemóvel e o tablet, para além do muito que ainda nos espera! []

Celestino Domingues

Celestino Domingues exerceu atividade em sectores diversos como agências de viagens, companhias de transporte aéreo e hotéis. Docente nas Escolas de Hotelaria e Turismo do Algarve (Faro) e de Lisboa, foi igualmente monitor de diversos cursos de especialidade. Viveu e trabalhou em diversos países (Brasil, Japão, Reino Unido). No desempenho de cargos oficiais destacam-se o de Chefe de Gabinete do Secretário do Estado do Comércio Externo do IV Governo (1978-1979) e o de assessor técnico do Secretário de Estado do Turismo (1981-1982). Autor, entre outras, das obras Prontuário turístico (ESTHE/ INCM 2013; INFT: 1980, 1997), Quatro décadas de turismo: contributo de uma Instituição (IFT: 2004), Manual de informação turística (IPT: 1990), Dicionário técnico de turismo (D. Quixote: 1990), Turismo e transporte aéreo (INFT: 1972), publicou ainda um significativo número de artigos na imprensa da especialidade e participou na elaboração de planos, estudos e projetos vários em Portugal e no estrangeiro.

More Posts - Website

Você pode gostar...

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *