Dreamland Alps | Alpes, arquitetura e turismo

No mês de Julho do corrente ano tivemos a oportunidade de visitar a exposição Alps, Architecture, Tourism, demonstrated by the example of South Tyrol e Dreamland Alps: Utopian Projections and Projects concebida para uma melhor compreensão do papel que a arquitetura tem vindo a desempenhar na atividade turística.

No conjunto das variáveis que se conjugam para definir a oferta turística temos assistido à aposta que alguns territórios têm feito na paisagem, e mais especificamente na sua componente arquitetónica, bem como na sua relação de sustentabilidade e harmonia com o meio em que se insere, enquanto fator de atração e competitividade do destino.

Existe uma clara aposta que tem vindo a ser feita por regiões como a do Alto Adige na utilização da arquitetura enquanto estandarte da autenticidade associada à cultura edificada tradicional e respetiva identidade do lugar, e elemento de inovação no desenvolvimento do produto e da posição estratégica do destino turístico em questão.

Figura 1 – Capa do catálogo da exposição Dreamland Alps: Utopian Projections and Projects (Coleção Biblioteca celestino Domingues)

Figura 1 – Capa do catálogo da exposição Dreamland Alps: Utopian Projections and Projects (Coleção Biblioteca Celestino Domingues)

A iniciativa da exposição ‘Alpi, Architecttura, Turismo’ esteve a cargo da galeria Merano ArteEdificio Cassa di Risparmio di Merano, sob a coordenação de Sussane Waiz, e contou com a colaboração de várias entidades, entre as quais o Touriseum (Museu de Turismo do Sul do Tyrol). A esta iniciativa juntou-se a exposição Dreamland Alps: Utopian Projections and Projects, sob a responsabilidade da Arquiteta Curadora Susanne Stacher, concebida pela  École Nationale Supérieure d’Architecture (ENSA) de Versailles em cooperação com o Archiv für Baukunst at Universität Innsbruck.

As instalações expostas utilizaram fotografias, desenhos, maquetes e textos que procuraram apresentar traçados de arquitetura alpina, arquitetura turística ou arquitetura para turismo nos Alpes, mostrando os complexos e dinâmicos diálogos existentes entre a paisagem natural e a paisagem construída em cenário Alpino. Este território transfronteiriço, onde se destaca o respeito e o temor pela montanha mas também a admiração pela sua magnificência, ocupa um lugar particular no imaginário coletivo local, regional, nacional e internacional.

Os viajantes sempre tiveram necessidade de atravessar os Alpes, os quais, inspirando alguns receios à segurança eram pontualmente ocupados por uma rede de alguns dos tradicionais refúgios de montanha localizados ao longo dos caminhos que permitiam explorar a montanha, e onde se podia comer, descansar, procurar alguma ajuda ou reparação necessárias. Só no início do século XIX estas paisagens alpinas veem o medo substituído por um romântico fascínio, onde a natureza é rainha, o ar é puro e terapêutico, proporcionando condições únicas para a prática de atividades como o montanhismo e o esqui. Estes atributos e as atividades associadas viriam a constituir ingredientes fundamentais para o desenvolvimento do turismo alpino proporcionado pelo progresso registado no que concerne os transportes rodo e ferroviário.

Neste contexto urge proporcionar espaços urbanizados para apoio e usufruto dos viajantes e turistas, e a arquitetura surge deste modo como aliada do desenvolvimento turístico que este território solicita.

Esta exposição possibilitou assim a apresentação conjunta de mais de duas dezenas de projetos visionários e utópicos desenvolvidos ao longo dos últimos 100 anos, alguns dos quais apenas objeto de projeto, outros projetados e implementados. O fio condutor de tudo o que aqui foi apresentado resulta da essência há muito perscrutada pelos viajantes e turistas em busca do ‘sublime’ sempre subjacente à relação homem-natureza e consequente admiração do ainda inexplorado, fascinante e grandioso espaço alpino. Este espaço foi sendo progressivamente alvo de ‘descoberta’ a partir do século XVIII, quando a civilização urbana procurava paisagens e experiências dignas de tais incursões, nomeadamente na associação dos tempos de lazer às estâncias de cura e aos desportos de inverno, e onde encontramos o elemento arquitetónico como reflexo do respeito e admiração pelos Alpes, garante que foi e tem sido de uma imagem de marca turística poderosíssima.

Figura 2 – Perspetiva de Strata Hotel (Foto de Cristobal Palma)

Figura 2 – Perspetiva de Strata Hotel (Foto de Cristobal Palma)

Entre os projetos em exposição estão exemplos de vão desde alojamentos históricos Parkhotel Holzer, Seehotel Ambach,…), alojamentos modernos (Stata Hotel, Pergola Residence, Vigilius Mountain Resort,…), paisagens do turismo (Cascade, Funivia Merano 2000, esculturas de Passo Rombo,…), a paisagem terapêutica (Monte Verità, Sanatorium Roc de Fiz) ou ao projeto da Cápsula Alpina de Ross Lovegrove.

 


Maria Aurindo

Licenciada em Geografia e Planeamento Regional (Variante Humana), Pós-Graduada em Gestão Turística de Sítios e Mestre em Antropologia (Especialidade Antropologia do Turismo). Técnico Superior da Biblioteca Celestino Domingues.

More Posts

Follow Me:
LinkedInGoogle Plus

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *