Adega Regional de Colares : um menu de 1935

A vinha e o vinho ocupam desde há séculos um lugar muito especial na história económica e política do nosso país. Recordemos o Marquês de Pombal e a inovação na demarcação da região do Douro ou como “a implementação do ensino técnico agrícola em Portugal em 1852, contribuiu para o alargamento dos conhecimentos ligados à vitivinicultura e ao avanço tecnológico nos processos de vinificação” (Pereira, 2007, p. 7).

Com Salazar, o regime do Estado Novo e a política de controlo governamental sobre a atividade económica do país, surgiriam novos organismos iniciando-se a reestruturação corporativa da vida económica, política e social do país. A agricultura e o sector vitivinícola não foram exceção. Era necessária uma maior intervenção estatal dada a inexistência de organização e regulamentação eficazes ao nível da produção e do comércio interno e externo.

Figura 1 – Menu impresso na Litografia Maia (24x15 cm) datado de 29 de agosto de 1935. Coleção BCD.

Figura 1 – Menu impresso na Litografia Maia (24×15 cm) datado de 29 de agosto de 1935. Coleção BCD.

A Adega Regional de Colares foi instituída em Agosto de 1931 dela sendo sócios uma grande parte dos vinhateiros da região que já haviam criado o Sindicato Agrícola no ano anterior. Pretendendo reconhecer, proteger e manter a genuinidade dos vinhos típicos regionais, o Governo manda publicar “o decreto nº 21455 de 4 de Julho de 1932 pelo qual a região vinícola de Colares fica circunscrita, para efeitos de vinhos regionais típicos, às cepas plantadas nas areias soltas das freguesias de Colares, S. Martinho e S. João das Lampas” (Santos, 1938, p. 23).

A Adega Regional apoiada em legislação diversa que visava a proteção legal da marca, que fixava as castas produtoras, que limitava a atividade de produtores a quem não tinha reconhecida capacidade, teve importante ação na manutenção da genuinidade do vinho de Colares que corria o risco de descrédito mercê de atitudes menos escrupulosas. De acordo com o Relatório e Contas da Adega de Colares (1934-1937) “numa região, em crise, com um produto desconceituado e desacreditado por uma série de erros constantes e ininterruptos, urgente se tornava o recurso ao emprego duma enérgica e copiosa propaganda. Enobrecido o vinho de Colares pela acção da Adega Regional de Colares, indispensável foi organizar um plano de publicidade metódico, persistente e inteligente em que se revelasse ao público e ao consumidor as vantagens da organização e que o produto tinha voltado às suas características e à sua pureza” (p. 14).

O vinho de Colares é um vinho de mesa produzido com as uvas da casta Ramisco cujas cepas são plantadas a uma profundidade variável entre 3 a 8 metros de profundidade dependendo de onde se encontra a terra argilosa onde se fixa o bacelo. É muito antiga a produção vinícola na região. “A referência mais recuada no tempo data de 1255, quando D. Afonso III deu carta de foral à vila de Colares e fez a doação do reguengo de Colares a Pedro Miguel e sua mulher Maria Estêvão, com a obrigação de plantar vinhas” (Amaral, 1995, p. 381).

Este post pretende dar a conhecer um menu impresso na Litografia Maia (Porto) datado de 29 de agosto de 1935, aquando da visita oficial do Presidente da República, Óscar Carmona, à Adega Regional de Colares inserida no programa político de propaganda e apoio ao desenvolvimento do setor produtivo e ao trabalho nacional. Trata-se da ementa da refeição servida no decorrer deste evento pela conceituada Pastelaria Marques sita em Lisboa, reconhecida pela sua grande qualidade (Figura 1).

A revista Ilustração nº 233, num artigo titulado “O Sr. Presidente da República instala-se em Sintra e visita a Adega Regional de Colares” (1935, pp. 34-35) refere a visita do Presidente da República acompanhado pelos Ministros do Interior e da Agricultura (Figura 2) em que foram inauguradas a cantina dos operários e a nova prensa hidráulica e condecorados dois antigos trabalhadores vinhateiros. “O sr. General Carmona a quem muito interessam todas as manifestações do trabalho nacional visitou a Adega Regional de Colares, o mais perfeito organismo da sua especialidade entre nós, decisiva demonstração de quanto pode uma acção enérgica ao serviço de uma boa causa”.

Figuras 2 e 3

Figuras 2 e 3 – Chegada do Presidente de República à Adega Regional de Colares e assinatura do auto de inauguração da cantina dos operários. Fotos publicadas na revista Ilustração, nº 233 (1 de Setembro 1935, p.35)

Adega Regional de Colares continua desempenhar o seu papel na defesa, controlo e certificação dos vinhos da região. O edifício foi recentemente alvo de obras e oferece também um vasto conjunto de outros serviços – cerimónias diversas, exposições, concertos, provas de vinho, almoços, jantares … quiçá um dia o cabeçalho dos menus não voltará a ostentar a frase “E mais foi dito que fossem preferidos os vinhos da região de Colares nesta ementa”.

 

Obras Citadas

Amaral, J. D. (1995). O grande livro do vinho. Lisboa: Temas e Debates.

O Sr. Presidente da República instala-se em Sintra e visita a Adega Regional de Colares. (1 de Setembro de 1935). Ilustração, 233, p. 35. Obtido de http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/OBRAS/Ilustracao/1935/N233/N233_master/N233.pdf

Pereira, M. C. (2007). Acção e património da Junta Nacional do Vinho (1937-1986). Lisboa: Universidade Aberta.

Relatório e Contas (1934-1937). (s.d.). Colares: Adega Regional.

Santos, R. E. (1938). O vinho de Colares. Colares: Adega Regional.


Conceição Machado

Licenciada em História com especialização em Ciências Documentais e em Turismo. Coordenadora da Biblioteca Celestino Domingues.

More Posts

Você pode gostar...

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *